Criança merece cuidado!

O que você sente quando bate em uma criança?
O que você sente quando bate em um adulto?
Pense nisso?
Pode ser que o ato seja diferente, mas o princípio é o mesmo.
O bater é um ato de violência.
Com a diferença: a criança sempre que reagir vai apanhar mais e mais até não reagir mais.
Agora, quando você bate em um adulto… a história muda e, provavelmente vai receber na mesma intesidade, a reação é imediata. Certo?

Coloque-se perante seu filho, observe-o brincar, assistir a TV, dormindo. Olhe para esta criança e reflita: “O que me ameça tanto neste pequenino ser que preciso levantar a mão e bater?”

É preciso aprender a controlar a raiva, a controlar o descontrole e ter a consciência de que educar uma criança é fazer uma parceria com a vida!

A decisão está em suas mãos!

Anúncios

Violência contra criança: “demagogia do tapa”!

Não sou eu que vai convecê-los de que bater nos filhos é um engano ingênuo de que os educamos! É, sim um ato tirano.

Pois, o tapa nada mais é do que ter apenas o medo como artificio para dar limites a uma criança.
Quando você bate na criança, cultiva o medo e nada mais.
Mas se você conquista seu filho, demonstra respeito e admiração, jamais precisará demonstrar a insegurnaça perante os desafios da paternidade e maternidade  através da palmada.
Quando uma criança desafia um adulto, não desafia sua autoridade de pai ou mãe, desafia suas atitudes, quer chamar sua atenção. Quer confirmar que tipo de adulto será seu escudo no futuro. Se será com base no medo ou na lealdade.

Um tapa, uma palmada são icebergs de um soco, um besliscão, um massacre psicológico, um espancamento que ferem não só o corpo, ferem a alma.
A postura de que ” Eu apanhei e tô aqui sem sequelas”, são atitudes de desespero de adultos que insistem em repetir e reproduzir atitudes dos senhores de senzala, sentimento de propriedade, de ¨dono”, que acabam reproduzindo seres humanos que tem no medo o escudo, a arma maior, perante os desafios do mundo.
E, um ser humano criado sob a sombra do medo não vai aprender a enfrentar o desafio da vida, vai esconder-se, reprimir e fazer tudo para ser aceito seja onde estiver.

Vai aprender que não adianta querer, ter voz e vez, porque sempre haverá um outro para dar-lhe um tapa, um soco, um motivo para esconder-se, criando situações que vão levá-lo a uma vida de infelicidade, traumas e desilusão.
Uma vida de insatisfação contínua.

Legitimar o ato violento com a desculpa de que  está educando é admitir que somos adultos incompetentes e despreparados para a primeira função dos humanos em sociedade: cuidar de suas crias.

Coisas da vida

A vida é mesmo uma coisa muito engraçada!
Veja só… com o tempo nossos gostos vão mudando e o que era algo totalmente repugnante em um determinado momento em outro aceitável… normal.
Veja pelo seu guarda-roupa, em certo momento nem pensar casaco de courino, agora você tem um marrom e um preto e se prepara para um na cor bege!

Imagine se entraria cueca de oncinha ou com aquelas frases sugestivas… agora você faz coleção e até procura as novidades na net!

Sabe aquele chapéu estilo panamá que você ficava zoando dos seus amigos… é opção dos amigos secretos.

Esse vai e vem de gostos torna a vida uma montanha russa de adjetivos pessoais e o pior é que nem percebemos essas mudanças, quando percebemos a vida ja mudou de cor

e estilo.

Por que a Alegria na Escola?


Por que a Alegria na Escola?

(resumo de palestra que o autor - renomado escritor de livros didáticos da Editora Saraiva - tem proferido para professores de 1o e 2o graus nos mais diversos pontos do país)
Elian Alabi Lucci
 
Vivemos nestes últimos anos do século XX num mundo sombrio, cheio de incertezas. Se atentarmos para o semblante das pessoas em qualquer lugar do mundo vamos notar uma tristeza estampada nos seus rostos. Mesmo que alguns procurem exteriorizar uma certa alegria, no seu interior nota-se um quê de tristeza. Em muitos casos, um dos motivos para essa depressão é que um alguém que lhe é caro está desempregado. O poder de desestruturação psicológica do desemprego esta em função da importância que o trabalho exerce na vida: como uma das forças centrais da realização humana. Em vários países da Europa Ocidental as taxas atuais de desemprego atingem patamares altíssimos: 18%, 19%, 20%, como é o caso da Alemanha, França e Espanha. No Brasil, a partir do mês de abril deste ano esta taxa que se mantinha por volta dos 5%, começou a disparar (Cfr., por exemplo, o caderno especial de 1º de maio publicado pela Folha de S. Paulo). Como se isto não bastasse, acaba de surgir na Europa e nos Estados Unidos um novo conceito (correspondente a uma nova realidade...?): o quarto mundo? A Europa inteira fala e escreve sobre o quarto mundo. O quarto mundo que preocupa sobremaneira o europeu, e o norte-americano neste final de século é constituído pelos excluídos do Primeiro Mundo. Segundo Alex Masllorens, na obra O Quarto Mundo, publicada em 1997 e Pierre Noël Giraud, em A Desigualdade no Mundo, também de 1997, o abismo entre pobres e ricos nos Estados Unidos é o maior de todo o Ocidente e vem se acentuando assustadoramente nos últimos anos. E o mesmo se dá na Alemanha, na Espanha, na França e em muitos outros países ditos desenvolvidos. Faz pouco tempo, a Comissão de Médicos Contra a Fome dos EUA, vinculada à Universidade de Harvard, publicou um informe em que dizia: "apesar da ausência de cifras exatas, se pode estimar razoavelmente que existem mais de 20 milhões de americanos que passam fome, pelo menos alguns dias de cada mês". Segundo os dois autores acima citados, já existem correntes contra os pobres chamadas de "esteticistas". Segundo essas correntes, a situação de pobreza é analisada com tal frivolidade que elas chegam a afirmar que os pobres são feios e estorvam e que portanto convém afastá-los de nossas vistas, para não dizer do mundo. Giraud, ao final do seu livro, ao falar do nosso futuro mais provável afirma que nas atuais condições em que o mundo se encontra a desigualdade tende a aumentar no Primeiro Mundo e a classe média será destruída, algo já bem visível entre nós de há muito tempo. Acabando de regressar de uma missão científico-editorial (Editora Mandruvá - USP) ao Velho Mundo, sinto o coração apertado com o que pude observar convivendo com intelectuais europeus e com as pessoas da rua, em seu dia-a-dia. Nessa pesquisa ao vivo, alguns afirmavam que a próxima guerra mundial ocorrerá devido à escassez de água no planeta e ao mau uso do que sobra desse recurso importante. Outros afirmavam que assistiremos a um conflito de civilizações entre o mundo ocidental contra o mundo mulçumano.
"Após a Guerra Fria, a política mundial deixou de reger-se por posturas ideológicas; agora se realiza segundo pautas culturais. A maior fonte de conflitos internacionais não será o enfrentamento ideológico, mas o choque de civilizações." Huntington, Samuel. Aceprensa ("Pensamiento"), Madrid, junho de 1997, p. 2.
Pessoalmente, chego a estes últimos anos do século quase afirmando que em breve estaremos envolvidos numa terceira Grande Guerra provocada, sim, pela globalização e pelo desemprego que esse processo vem desencadeando em todo o mundo. No processo de globalização, que desde o início da década de 90 vem assolando o mundo, praticamente só há perdedores. Apenas três países, Alemanha, Japão e EUA, conhecidos como a tríade, tornam-se cada vez mais ricos, enquanto a maioria da sociedade mundial vai empobrecendo não só financeira e socialmente mas, o que é pior, culturalmente. Esses donos da globalização vem impingindo um modo de vida cada vez mais consumista e superficial, procurando encher os nossos olhos pela propaganda veiculada nas emissoras de televisão, revistas e outros meios de comunicação. Pude reparar há poucos dias atrás em países europeus, e o mesmo - guardadas as devidas distâncias - também já ocorre por aqui: toda a propaganda veiculada exalta os carros, o cigarro e a bebida, enfim o ter. Assim, as pessoas hoje passam a ser avaliadas pelo que têm e não mais pelo que são. Entrevistando em Madrid um dos maiores pensadores vivos da atualidade, Julían Marías (um intelectual que tem abarrotado toda semana o auditório do Instituto de Espanha com trezentas pessoas para assistir a suas conferências sobre as perspectivas para o século XXI), ouvi dele o seguinte: – "O homem hoje é um primitivo cheio de informação e sem uma visão do mundo". Dizia também que o homem de hoje está coisificado e não quer pensar mais. O homem, segundo Marías, achou mais fácil se render aos encantos da moderna tecnologia ou da droga e da corrupção do que pensar no seu fim último como pessoa. Afirmava também este pensador que a moral coletiva está claudicando, criando assim, uma perspectiva sombria para o século XXI. Mas, o que é que faz o homem pensar? Sem dúvida nenhuma é a Educação. Para fazer o homem voltar a pensar, temos que relembrá-lo, constantemente, por meio da educação de alguns princípios filosóficos básicos como: O homem é um ser que esquece, e o que é pior, que neste "mundo maravilhoso das compras" em que vivemos, ele se esquece do mais importante que é para que ele foi criado, para que ele existe: Que falta faz a filosofia hoje em todos os níveis de ensino! Quando o homem filosofava ele vivia verdadeiramente. Na medida em que ele foi deixando a filosofia de lado ele foi se desumanizando e vive hoje como um antropóide que cada vez mais só atende aos seus instintos. Vocês já perceberam com que banalidade se mata uma pessoa hoje? Isto já não abala mais ninguém. "É mais um que foi. Que pena...!". Cabe portanto à educação hoje a árdua tarefa não só de transmitir conhecimentos, mas principalmente esperança, alegria. Para demonstrar isto, basta apresentar alguns dados de pesquisas realizadas em nível internacional e dentro do nosso país com os estudantes dessa pobre geração cheia de coisas e carentes de amor. Segundo a pesquisa da American Research Association o que os alunos entrevistados mais aspiram é ter professores amigos, alegres, simpáticos e virtuosos ao invés de professores deprimidos, antipáticos e imorais. Quanto aos métodos de ensino o que se constatou é a existência de uma lista desorganizada de atividades de aprendizagem, em que o professor é convidado a selecionar o que agrada mais a sua fantasia do que efetivamente as necessidades dos alunos. No Brasil, numa pesquisa publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, em 1996, 78% dos alunos entrevistados diziam preferir um professor de bom humor e apenas 51% um professor com mais conhecimentos. Uma das atividades, a de nº 4, propostas no livro Combater as dificuldades de aprendizagem, de autoria de Diana Felizardo, publicado em Lisboa, em 1994 é: "Rir é bom". Para justificar tal colocação eu diria que a risada é a linguagem universal dos seres humanos. O sorriso não só caracteriza o homem mas lhe confere uma força mágica, às vezes milagrosa. Santo Agostinho, grande retórico e professor, inquirido por inúmeros colegas sobre o que fazer para pôr fim ao tédio dos alunos em sala de aula e também dos professores, num determinado período do Império Romano escreveu um livro chamado A instrução dos catecúmenos (traduzido e publicado pela Editora Vozes, em 1973). Nesse livro ele faz várias recomendações, das quais a mais importante segundo ele importantíssima, é: ao ensinarem, procurem pôr mais alegria. Também o educador Paulo Freire afirma a necessidade da alegria no ensinar. No prefácio que fez para o livro Alunos felizes, de autoria de Georges Snyders, publicado em 1993. Nesse prefácio, Freire deixa claro o que é a alegria na escola, que tanta falta faz hoje e que deve conduzir o educando à alegria de viver, conforme se pode observar no texto que recolho a seguir.
Este é, sem dúvida, um livro profundamente atual. Um livro que ultrapassa certo ranço tradicionalista em que a alegria se afogava envergonhada de si mesma, contida, para não virar pecado, que supera certo cientificismo arrogante da modernidade e grita, mesmo discretamente, mas decididamente, ao estilo do autor, em defesa da alegria. A alegria na escola, por que Georges Snyders vem lutando, alegremente, não é só necessária, mas possível. Necessária porque, gerando-se numa alegria maior – a alegria de viver –, a alegria na escola fortalece e estimula a alegria de viver. Se o tempo na escola é um tempo de enfado em que educador e educadora e educandos vivem os segundos, os minutos, os quartos de hora à espera de que a monotonia termine a fim de que partam risonhos para a vida lá fora, a tristeza da escola termina por deteriorar a alegria de viver. É necessária ainda porque viver plenamente a alegria na escola significa mudá-la, significa lutar para incrementar, melhorar, aprofundar a mudança. Para tentar essa reviravolta indispensável é preciso deixar bem longe de nós a distorção mecanicista; é necessário encarnar um pensar dinâmico, dialético. O tempo que levamos dizendo que para haver alegria na escola é preciso primeiro mudar radicalmente o mundo é o tempo que perdemos para começar a inventar e a viver a alegria. Além do mais, lutar pela alegria na escola é uma forma de lutar pela mudança do mundo.
Pensando na necessidade de um ensino mais alegre, mais descontraído e na necessidade que o homem tem de ser lembrado de seu fim último, há mais de vinte anos venho percorrendo este país divulgando junto aos colegas o Método Lúdico de ensino para a área de Ciências Sociais, defendido hoje desde a alfabetização pelo professor Paulo Nunes de Almeida um dos seus introdutores no Brasil, como pela grande maioria das agências de recrutamento e departamentos de recursos humanos das empresas, principalmente em tempos de globalização quando começa a se instalar um novo tipo de sociedade, chamada por Peter Drucker de sociedade do conhecimento.
Aprendendo a aprender
"Educação básica significa tradicionalmente, por exemplo, a capacidade de efetuar multiplicações ou algum conhecimento da história dos EUA. Mas a sociedade do conhecimento necessita também do conhecimento de processos – algo que as escolas raramente tentaram ensinar. Na sociedade do conhecimento, as pessoas precisam aprender como aprender. Na verdade, na sociedade do conhecimento as matérias podem ser menos importantes que a capacidade dos estudantes para continuar aprendendo e que a sua motivação para fazê-lo. A sociedade pós-capitalista exige aprendizado vitálico. Para isso, precisamos de disciplina. Mas o aprendizado vitálico exige também que ele seja atraente, que traga em si uma satisfação."
Drucker, Peter Sociedade pós-capitalista. São Paulo, Pioneira Editora, 1995, p. 156.
Texto Extraído de:
http://www.hottopos.com/videtur5/por_que_a_alegria_na_escola.htm  

Educação: educar-se ou educar

A vida é uma correria e vivemos sempre reclamando da falta de tempo.

Mas uma das áreas na vida humana que necessita da atenção é a educação, não me refiro a educação formal, aquela recebida nos bancos escolares e nas universidades.

Me refiro a educação que damos e recebemos, aquela dentro da família, nas relações cotidianos que ultrapassam o “porfavor” e “muito obrigado”!

Vamos abrir um ícone aqui para discutirmos essa questão e começar a educar de verdade os cidadãos que nos cercam e a nós mesmos.

Formatura da Mirian

Mirian com a Placa de Aluna Destaque do Curso de Licenciatura em Pedagogia pela Uniasselvi


O sucesso é daqueles que batalham, e com toda certeza você é um dos merecedores desse sucesso.
Parabéns pela formatura!

Que a alegria da formatura hoje,
fique para sempre em você,
para que a felicidade também contagiem aqueles que da sua profissão se beneficiarem.
meus parabéns!
Pessoas grandes são aquelas que lutam por ideais,
e hoje nesta formatura você prova ser parte dessas pessoas.

Parabéns pela formatura!

A sua conquista vai impulsionar outras buscas e abrir novos horizontes,
sempre apontando para um futuro muito luminoso.

Parabéns e muito sucesso!

Por acreditar que este dia chegaria,
você se esforçou e buscou a cada dia o seu sonho.

Merecidamente venceu, e hoje os aplausos são todos para você!
Parabéns, Formando!

Os que você alcançou hoje é uma pequena parte do que você ainda pode conquistar com o seu talento.
Parabéns!

O talento,
a força de vontade e a persistência trouxeram você até aqui.
Parabéns!
Esperamos que esta vitória seja o início de muitas outras conquistas.

Estamos muito orgulhosos desta sua conquista!

Bjo Te amamos!