Arquivo da categoria: Ensaios

Adoção

Nossos olhos se viram para onde está nosso coração e, com isso acabamos prestando atenção em situações e acontecimentos, pessoas e experiências que antes não percebíamos. Passava pela nossa frente, era até interessante, mas passava.

Quando em nossa vida começam a surgir novos interesses, nosso coração desperta, novas emoções acordam e uma inquietude toma conta de todo nosso peito.

Olhamos para todos os lados buscando identificar quem ou o que está despertando esta inquietude, no entanto não é nada concreto, está no ar, no universo!

Assim, descrevo o momento em que senti a vontade de ter mais um filho que seria gerado em nossos corações!

Então, conversando, identifiquei o que seria esta inquietude, esta vontade, que seria o desejo de adotar uma criança.

Começou outra inquietação, como fazer? Como decidir?

Euforia, agonia, medo, insegurança, enfim a única certeza: queremos adotar.

É sobre isto que iremos conversar, abrir espaço para um dialogo de aprendizado, de crescimento com a unica certeza: SOMOS MARINHEIROS DO MESMO MAR!

Espero que possa contribuir de alguma forma para crescermos juntos.

Um grande abraço.

 

Anúncios

Criança merece cuidado!

O que você sente quando bate em uma criança?
O que você sente quando bate em um adulto?
Pense nisso?
Pode ser que o ato seja diferente, mas o princípio é o mesmo.
O bater é um ato de violência.
Com a diferença: a criança sempre que reagir vai apanhar mais e mais até não reagir mais.
Agora, quando você bate em um adulto… a história muda e, provavelmente vai receber na mesma intesidade, a reação é imediata. Certo?

Coloque-se perante seu filho, observe-o brincar, assistir a TV, dormindo. Olhe para esta criança e reflita: “O que me ameça tanto neste pequenino ser que preciso levantar a mão e bater?”

É preciso aprender a controlar a raiva, a controlar o descontrole e ter a consciência de que educar uma criança é fazer uma parceria com a vida!

A decisão está em suas mãos!

Violência contra criança: “demagogia do tapa”!

Não sou eu que vai convecê-los de que bater nos filhos é um engano ingênuo de que os educamos! É, sim um ato tirano.

Pois, o tapa nada mais é do que ter apenas o medo como artificio para dar limites a uma criança.
Quando você bate na criança, cultiva o medo e nada mais.
Mas se você conquista seu filho, demonstra respeito e admiração, jamais precisará demonstrar a insegurnaça perante os desafios da paternidade e maternidade  através da palmada.
Quando uma criança desafia um adulto, não desafia sua autoridade de pai ou mãe, desafia suas atitudes, quer chamar sua atenção. Quer confirmar que tipo de adulto será seu escudo no futuro. Se será com base no medo ou na lealdade.

Um tapa, uma palmada são icebergs de um soco, um besliscão, um massacre psicológico, um espancamento que ferem não só o corpo, ferem a alma.
A postura de que ” Eu apanhei e tô aqui sem sequelas”, são atitudes de desespero de adultos que insistem em repetir e reproduzir atitudes dos senhores de senzala, sentimento de propriedade, de ¨dono”, que acabam reproduzindo seres humanos que tem no medo o escudo, a arma maior, perante os desafios do mundo.
E, um ser humano criado sob a sombra do medo não vai aprender a enfrentar o desafio da vida, vai esconder-se, reprimir e fazer tudo para ser aceito seja onde estiver.

Vai aprender que não adianta querer, ter voz e vez, porque sempre haverá um outro para dar-lhe um tapa, um soco, um motivo para esconder-se, criando situações que vão levá-lo a uma vida de infelicidade, traumas e desilusão.
Uma vida de insatisfação contínua.

Legitimar o ato violento com a desculpa de que  está educando é admitir que somos adultos incompetentes e despreparados para a primeira função dos humanos em sociedade: cuidar de suas crias.

Educação: educar-se ou educar

A vida é uma correria e vivemos sempre reclamando da falta de tempo.

Mas uma das áreas na vida humana que necessita da atenção é a educação, não me refiro a educação formal, aquela recebida nos bancos escolares e nas universidades.

Me refiro a educação que damos e recebemos, aquela dentro da família, nas relações cotidianos que ultrapassam o “porfavor” e “muito obrigado”!

Vamos abrir um ícone aqui para discutirmos essa questão e começar a educar de verdade os cidadãos que nos cercam e a nós mesmos.

Coisas da vida

Na correria diária, nós mulheres sempre nos comportamos como um polvo gigante e irracional.
Gigante porque não medimos as consequências de nossos atos para dar conta do recado e irracional porque vamos fazendo sem ao menos nos darmos o direito de parar e pensar.

E, quando a noite chega, nos dirigimos para casa cansadas, exaustas e com a cabeça fervilhando porque a noite ainda nem começou… é roupa para lavar, jantar para fazer, deveres dos filhos para orientar e… o marido chega em casa… olha para você e não entende porque está triste, cansada, exausta, irritada e perdida.

Nem você entende porque tem que dar conta de tudo, sentir-se um trapo e estar perdida dentro de si mesma.
Como se encontrar, se olhar e se amar neste turbilhão de compromissos e afazeres que afirmam a todo instante que você tem que dar conta, tem que dar conta!

É uma rotina interminável, absurdamente ciclíca e decrescente.

Quais perspectivas existem para a vida da mulher moderna sem que tenha que se autoflagelar e sem que tenha que cultivar uma culpa interna terrível por, às vezes, sentir-se cansada, sem paciência e querer um tempo para si?

Minhas frases!

Ficar numa situação confortável para não se encomodar é uma situação de alienção em relação aos apelos do mundo a sua volta!

Olhe para seu filho, o que vê? O que você vê é seu investimento daqui a alguns anos!

Se no seu peito um coração bate inquietante, não abafe, não cruze os braços, não cale seu compromisso com o mundo que insiste em se pronunciar.

Ser útil não é ser utensílio que cabe qualquer coisa.

Ser útil é sair da inércia e fazer ouvir sua voz e sentir sua atitude.

Datas comemorativas são marcos que algumas pessoas criaram para não serem esquecidas!

Frases criadas em 04 de julho de 2010. Maristela Truppel


Ser Humano

Depois de um período de ausência, por conta de inúmeros compromissos resolvi compartilhar um texto que escrevi a algum tempo:
Quando vc olha par o outro o que vê? Responda! Vc vê uma pessoa!
Tripé: Ética, solidariedade e justiça

Princípios básicos para que vc entenda o que é o outro e o que é ser uma pessoa
Com o advento da internet, com a correria do dia a dia e com as muitas preocuopações e pré-conceitos povoando a nossa mente, perdemos o referencial da pessoa do outro, passamos a ver o outro como uma extensão das nossas vontades e desejos.
Inconcebível ele fora de mim!

Mas ver o outro como pessoa, senti-lo como pessoa é algo que as crianças sabem fazer muito bem, observe as crianças brincando: não existem adjetivos entre seus pares, simplesmente uma criança vê a outra como criança, pessoa pura vendo outra.
Quando crescemos começamos a nos colocarmos em um traje blindando e criado que nos afasta da essência pessoa.
Não estou falando aqui das características da pessoa que consta no dicionário ou nas aulas de filosofia, sociologia, convido a fazer uma viagem muito maior, uma viagem para sua pessoa interior e pergunto: o que você vê? Como se coloca no seu próprio lugar?
É tão fácil viver na armadura blindada onde a pessoa do outro e a minha própria não existem, o que existem são máscaras criadas ao longo de uma vida onde as referências da infância se acabaram, onde ver o outro é o mesmo que não vê-lo.
Confuso? Não muito! Agora dispa-se, tire sua armadura e olhe-se no espelho, passe a mão em seus cabelos (se houver) sinta sua cabeça, perceba o quão dura ela é, o quão frágil ela é! Paradoxial certamente, mas ao mesmo tempo em que ali, na sua cabeça residem paredões de conceitos e pré-conceitos, existe um mecanismo frágil e magnífico e só se usa o mínimo dele!
Ali residem os medos, as raivas os rancores, o tédio de uma caminhada sem sentido, um olhar vazio! Um grande eco.
Ali residem conexões maravilhosas e que escondem o segredo da vida humana.
Olhe dentro de seus olhos e o que vê?
Passe as mãos em sua boca, sua face e vá pouco a pouco redescobrindo a pessoa que você é.
Simplesmente existe como obra divina e maravilhosa de uma inteligência maior, pertence a um plano superior onde a vida é a sua viagem!
Olhe-se novamente e sai de dentro de sua armadura blindada! Dá medo!? Sim… é normal, porque ficar nu é um desafio, ainda mais quando trata-se de ficar nu diante de si mesmo. Dispa-se de sua vergonha interior e descubra a pessoa maravilhosa que é.
Talvez não tenhas mais o vigor dos seus 18 anos, a rebeldia dos 14, a inocência dos sete, mas tem algo magnífico a experiência e é ela que construiu essa pessoa que hoje está diante do espelho!
Talvez não goste muito do que veja, mas não perca de vista o quanto você merece estar aqui e compartilhar com muitas outras pessoas a grandiosa obra desafiadora da Vivência Humana!
Ser pessoa é fácil o difícil é Ser Humano sob o tripé da ética, solidariedade e justiça.
Olhe-se, não se esconda! Não se esconda de si mesmo!

Uma ótima semana!
Maristela Truppel